A importância da Informática Educativa



Talvez pelo fato do avanço tecnológico ser algo muito recente nos dias atuais, os pedagogos divergem com relação à questão do que fazer com a informática? Faz parte da grade escolar ou não faz? Depois de muita leitura, muita pesquisa, muita navegação, cheguei a seguinte conclusão:

É muito importante que haja a informática na Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio. Em cada uma dessas fases, é essencial que haja conhecimento do perfil do usuário do computador, a fim de que haja eficácia no processo de ensino.

Afinal de contas, a Informática veio para ficar! Nos dias de hoje, usar o computador é tão comum quanto ver TV ou usar telefone, por isso é fundamental que a informática tenha o devido valor no sistema de Ensino Nacional.

Normalmente quando se fala em informática, logo se imagina o aluno aprendendo as ferramentas do Office (Excel, Power Point, Word, Acess), ou outros pacotes, como Macromedia (Dreamweaver, Fireworks, Flash, etc), Adobe Photoshop, gerando assim “o profissional de informática”. Porém devemos parar de enxergar a informática apenas como um curso profissionalizante, mas como uma ferramenta utilizada praticamente em todos os segmentos. No ensino não pode ser diferente, pois deverá ser encarada como uma ferramenta muito útil na educação, uma vez que o ensino está mudando.

De acordo com o site da Unicentro
(http://www.qmc.ufsc.br/qmcweb/artigos/colaboracoes/informatica_ensino)

O ensino está mudando...

Sociedade Industrial

Sociedade Informatizada

>Todos os alunos devem receber a mesma informação (e ao mesmo tempo);
>Memorização da informação;
>Ênfase na transmissão do conhecimento;

 >Avaliação através de provas e testes de conhecimento;

 >Professor é o “dono” e o principal entregador do conhecimento.

>Capacitações diferentes; os alunos têm estilos individuais de aprendizagem;
>Sem memorização: saber navegar com eficiência em CD-ROMs e bancos de dados on-line;
>Ênfase na aprendizagem de interpretação e julgamento;
> Avaliação através de dossiês de trabalho (portfólios);


Quem é o profissional capacitado para desenvolver o ensino de informática?
Tenho pesquisado em diversos sites, fóruns, etc. e tenho visto um discurso progressista, cuja a prática em si é inexistente, pois tem se tentado jogar essa atribuição ao professor de sala, aliado, em algumas situações a um “capacitador”, o qual tem tornado o ensino de informática algo meio insosso, cansativo e repetitivo, desmotivando os alunos, os quais são usuários exigentes e que avançam juntamente com o progresso tecnológico.
Pensando nisso, constatei que o perfil desse profissional deve ser de alguém ligado à educação que tenha sensibilidade para identificar o seu público alvo detectando o que é necessário para o aprendizado, bem como ser versátil para conhecer o universo e a linguagem infanto-juvenil. Ser pesquisador nato e estar em constante atualização, pois a informática avança assustadoramente. Que ele seja incentivador e cause motivação a fim de que o aluno anseie aprender mais e mais. Estar constantemente estudando e se atualizando com relação às ferramentas tecnológicas. Trabalhar sempre enfocando a interdisciplinaridade.
Qual a didática a ser aplicada?
De acordo com o artigo de Simão Neto (2002), a informática tem chegado à educação brasileira com movimentos no qual o autor denomina de “ondas”. Esses movimentos iniciam nos anos 70 num processo de evolução social, científica e tecnológica. O autor aponta essa evolução de movimentos como:
1 – primeira onda: Logo e programação
2 – segunda onda: Informática básica
3 – terceira onda: software educativo
4 – quarta onda: Internet
5 – quinta onda: Aprendizagem colaborativa
Na verdade, é importante usar tudo o que a informática nos oferece, não devemos ficar limitados a “ondas” e ““modismos”, mas detectar a real necessidade do momento e o que a escola possui. Foi assim que eu criei uma didática específica de acordo com o que eu tinha em mãos, tanto em termos de equipamentos, softwares e alunos. Qual é a minha didática?
 Primeiramente, a interdisciplinaridade – pois é muito importante que a informática esteja bem ligada àquilo que o professor leciona em sala de aula.
 Desenvolvimento da criatividade. Isso é fundamental, pois faz com o aluno pense/crie/questione. Dê asas à imaginação.
 Raciocínio lógico – implantação de pequenos jogos educativos que ajudem nas áreas de exatas e que trabalhem com o raciocínio, enfim, o instiguem a pensar, bem como a achar soluções. Seria o momento do desafio.
 Implantação da Informática Básica, de forma sutil, sempre dentro de um projeto ou outro, onde na maioria das vezes é ensinado um comando novo, ou mesmo um dirimir de dúvidas, propiciando o descobrindo de outros novos comandos, onde o aluno irá construir o seu aprendizado.
 Trabalho em dupla ou equipe, dependendo da situação para elaboração de um determinado projeto.
 Criação e implantação de pequenos programas desenvolvidos em Flash, sempre relacionados com o tema do projeto, facilitando assim a pesquisa e o aprendizado.
 Implantação do site de atividades de informática, o qual é o canal de comunicação entre o professor e o aluno.
Qual o resultado obtido?
Uma mamãe de um aluno do 2º ano comentou que seu filho sentava em frente com a irmãzinha e ensinava-lhe a fazer o zoológico de animais.
Volta e meia recebo no orkut um recado perguntando: - O que vai ter de informática amanhã? Eles anseiam pela aula.
Uma mamãe me mandou um e-mail do filho que ama descobrir novos comandos, e passa bom tempo na internet fazendo pesquisas para essa finalidade.
Em um antigo projeto chamado "Estrela do Oriente", que criei relacionado à literatura e que englobava a escola toda, alguns alunos (bem pequenos) não aguentavam de curiosidade para esperar pela aula, começaram a ler o livro de Ester na Bíblia para saber o desenrolar da trama.
Um aluno, após participar do projeto "site de formandos" na outra semana colocou seu site no ar.
A coordenadora evita marcar passeios ou reuniões nas terças e quintas, pois é o dia que eles tem aula de informática e eu já vi muitos deles reclamarem que perdeu a aula de informática.
Ensinava para uma turma do oitava ano alguns comandos de Excel. Dizia que eles tinham acabado de ganhar uma empresa muita promissora de herança. Eles deveriam dar um nome para a Empresa e deveriam contratar 10 funcionários para vender os produtos. É claro. A classe fica em polvorosa: - Qual o nome da sua empresa? Você quer trabalhar para mim? Fulano vendou muiito! etc! A diretora que passava por perto disse: - Parece uma festa. E eu disse: - Eu não consigo deixá-los em silêncio. É um laboratório de criatividade, de troca de idéias, essas coisas não dá pra fazer em silêncio e é nessa situação que acontece a colaboração, a troca.
O site de atividades de informática, tem no final de semana em torno de 50 visitas (para uma escola de 350 alunos). Ele não tem nada de institucional, porque não é o site da escola ( a escola nem site tem), mas ele tem visitas dos próprios alunos que amam ver a "imagem da semana", os links sugeridos, os links de eventos, as atividades. Eles se sentem em casa, por isso, levam o site para a casa deles, sem eu pedir.
Enfim, são estas coisas que me propulsionam a batalhar pela informática educativa, a fim de que a internet seja povoada de pessoas criativas e com um conteúdo excelente.
 


Aurelina Silveira Ramos
Professora de Informática
04/08/2006
 

 


Índice Artigos                        Estante Virtual                    Página Inicial