ESTÍMULOS


 


"Aquele que anda com os sábios será cada vez mais sábio, mas o companheiro dos tolos acabará mal." Pv. 13:20

Acordei hoje lendo Provérbios e acabei empacando nesse versículo, que é tão verdadeiro para os nossos dias. Hoje saíram as notas do Enem e mais uma vez a gente lê as notícias com aquela raivinha embutida por causa do caos no ensino brasileiro.
Bom... já li tanta coisa, já participei de tanto curso sobre educação, já ouvi muita coisa boa, as também ouvi muita coisa ruim,totalmente sem noção e uma delas era de um indivíduo falando do sucateamento das escolas públicas. Eu discordo, mas não quero me ater a isso nesse momento, porque quero ir ao cerne da questão.
Trabalho há 12 anos com informática educativa e procuro enxergar bem o universo dessa meninada, pois é o ambiente onde é mais aflorado bons e maus costumes. Literalmente tenho acompanhado o crescimento desses meninos e meninas. E sabe quem é que se dá melhor nesse meio todo?
Aqueles que foram mais estimulados quando crianças. É claro que existem vários tipos de estímulos e é sobre eles que quero tentar escrever aqui.
Sou mãe. Tenho dois filhos. O mais velho de 17 anos estuda na Usp, faz engenharia química e é muito bom na área de exatas. Quando ele estava no ensino fundamental disse-lhe: - Eu sou muito ruim em matemática, portanto, se você tiver alguma dúvida nessa área, não peça ajuda a mim, mas ao seu professor. Ele me ouviu e foi andar com o sábio da matemática.
Já que eu sempre fui muito ruim em matemática, tentei estimulá-los com jogos de raciocínio e similares aqui em casa e com o menor também era assim. Eles se destacaram na área de exatas, embora o mais novo é apaixonado por esportes, nunca teve dificuldades nessa área. Eu procurei estimulá-los e eles recebiam esse estímulo, então novamente eles andando com sábio. Os meninos são tenros – precisam ser direcionados num bom caminho... eu me refiro direção e não vigilância 24 horas.
Sabe o que eu percebi nesses 12 anos dando aulas? que os nossos melhores alunos são aqueles cujos pais o estimulam em vários sentidos: oferecendo-lhes limites, sendo parceiros da escola. Valorizando a literatura, a artes, navegando com os filhos. Amava quando um pai ou mãe me procurava e dizia que jogava os joguinhos que eu aplicava com seus filhos. Isso é elo e dos bons. Normalmente eram esses os melhores alunos da escola. Esses meninos vão longe, sabe por quê? Porque estão andando com pais sábios.
Porém eu vi outro estímulo, o qual tem me preocupado muito. É um estímulo negativo. E já desconfiava, mas fazendo uma busca no Google dos vídeos mais vistos pelos brasileiros, constatei o que eu mais temia: A quantidade de cultura inútil que é vista involuntariamente pelos nossos meninos é avassaladora. E alguns programas de TV, que não são nada bobos acabam disseminando mais ainda essa cultura inútil. Se eu ando com os sábios, torno-me sábio, caso contrário, serei companheiro de tolos e me acabarei mal. E é assim que tem acabado o nosso sistema de ensino brasileiro. Muito mal.

Isso me assusta, porque muitos meninos preferem andar com tolos, fúteis e inúteis do que apegar-se a coisas sábias e isso poderá gerar conseqüências no futuro. Na verdade, já está acontecendo. Eu faço um trabalho social com crianças e adolescentes carentes. Eu sou educadora jogos cooperativos na informática. Tenho um blog onde posto imagens que remetam para ética, curiosidades, frases ou algum aspecto cultural a ser discutido e também posto o link dos jogos que serão aplicados. Normalmente são dois jogos – o primeiro sempre é da série japonesa Minoto – onde é um enigma, tipo quebra-cabeças que precisa ser resolvido. É necessária a união do grupo para conseguir ir juntando as peças e chegar ao seu final. Eles reclamam pedindo ajuda, mas eu finjo de surda e por fim eles conseguem resolver sozinhos. O segundo é também um jogo dessa linha, mas nem sempre japonês. Enfim, depois de terminarem o jogo, eu os deixo navegar com minha supervisão. Dia desses, esqueci de tirar a caixa de som que ficou conectada em um computador e uma aluna entrou no youtube. Eu fiquei só analisando para ver a qualidade do vídeo a ser escolhida. Ela pôs um funk. Dizia alguma coisa assim: “ - Vou lá pra baixo, pra casa do macho, que lá eu me acho”. E o grupo inteiro cantava a música em uníssono. Todos sabiam de cor a música inteira, exceto eu que nunca tinha ouvido. Deixei a música rodar até o final, por fim acabou e eu pedi que colocasse uma música melhor –mas acabou a aula. Hoje, uma minoria entra no meu blog durante a semana... mas ainda é muito pouco, pois a grande maioria está passeando com o companheiro tolo, meu desejo é que isso mude, mas são tão poucas essas iniciativas sociais.
Nessa semana, participei de uma palestra com um consultor de uma empresa. Ele dizia que o Brasil está crescendo. Isso eu já sabia. Que o profissional mais maduro está em alta no mercado de trabalho. Isso também eu já sabia. Que 120 mil empregos foram preenchidos por jovens europeus. Isso me entristeceu, porque esses empregos eram para ser dos nossos jovens brasileiros, mas eles não tinham capacitação e muito menos formação escolar adequada.
Tenho visto muitos alunos em busca de um caminho mais fácil – um atalho, só que para ser um bom profissional é necessário pagar o preço – estudar muito, pois as coisas não vem de graça. As melhores notas foram daqueles que se esforçaram mais. O ensino não acontece por osmose, mas é preciso treino, disciplina. Ah... Acabo de ler uma matéria onde a escola pública melhor colocada no Enem investiu em tecnologia. Eu sou totalmente a favor da tecnologia, mas em letrinha pequenina dizia que era um colégio militar (imagino a disciplina ali e para se entrar ali para se entrar precisa de processo seletivo – provas que aprovam e reprovam – palavra pecaminosa na pedagogia moderna. Aposto que alguém vai ler essa matéria e vai pensar, então se eu colocar lousa digital em todas as escolas resolve o problema? É claro que não, pode melhorar um pouco. O que precisa mesmo é fazer com que essa moçada amadureça e comece a andar com sábios e não com tolos.
Nós pais temos que ajudar esses meninos a ter maturidade. Deixar eles se machucarem um pouquinho. Não tomar as dores quando tirarem notas ruins ou tiverem muita tarefa de casa. Tente fazer com que eles andem com os sábios: bons livros, bons jogos, bons artigos na internet, bons vídeos no youtube (isso existe e são os menos acessados) bons professores, bons filmes, boas peças teatrais, boas músicas, boas apresentações teatrais, bons museus, pois “Aquele que anda com os sábios será cada vez mais sábio, mas o companheiro dos tolos acabará mal. Pv. 13:20”

 

Lina Linólica - Aurelina Silveira Ramos

setembro/2011

 


Índice Artigos                        Estante Virtual                    Página Inicial